terça-feira, 11 de abril de 2017

A vez do silêncio pautado

A vez do silêncio pautado


Quando morremos nos igualamos aos tetraplégicos, surdos, cegos e mudos...

  Igualara-nos ao silêncio da lua, da tua paixão proibida, nos igualamos quase nos igualamos aos poderosos Reis diante do criador, ao relógio que parou, a voz que sentenciou, ao grito paralisado pelo abandono de causa, a só ficamos, nos igualamos à escuridão ou a luz? Igualamo-nos...Autor Reginaldo Afonso Bobato