sábado, 25 de março de 2017

Luz das luzas

Luz da Luza


Luz, luza, luza luta, escuta e segue e prece, tem pressa, o faz de conta deixa pra lá, amanheceu, ela é também o céu, o mel e até o favo, todos as colméias, até o zangão não se zanga com ela,  que delícia, cai à tarde, o crepúsculo aponta no horizonte uma noite perfeita para dar graças ao divino pela  boa saúde e caminhar, é tudo que ela quer neste instante, luza das estantes, dos muitos poetas que choram  quando tu vais embora e quando tu voltas choram de alegria, sim são voltas, o aconchego não chega, não basta, o olhar dos teus olhos é uma sensação de alegria e de alforria, ainda consigo de enxergar quem dirá se repetirá?
Luza dos mares, das prosas, do vento, brasileirinha, de fibra e também nata, séria quer se casar, constituir e instituir, conclamar e repetir a atitude de seus egrégios avós...Autor Reginado Afonso Bobato