sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Quando o tempo quiz passar...

Quando o tempo quis passar... A certeza de verdades me interessa, o opróbrio é a constatação melodramática da completa ocultação, e a verdade se dilata, normal ou comum, você é mais de cem, senão os teus atos cairiam em nulidade ou te sentenciariam, em alguns casos é melhor não ser ninguém, pois antes da ação vem a ciência, e se são homens de ciência, que tu sejas mais de mil em um só, antes da ciência vieram ações drásticas e com resultados muitas vezes fatídicos, em alguns casos, razão muitas vezes de vergonha e ignomínia, constrangimento veicular, posto que o acaso não é força para a razão, e em outras palavras, até mesmo antes do sábio, é preciso preparação, leitura, prudência, reserva, cautela, a constituição do caráter para firmá-lo como essência e fundamento e sensível erudição, pelo que há de se notar com profundidade, onde você está você quer ser e não somente deixe estar, te convencem até mesmo sem convencimento, você olha as delícias do mundo, ,mesmo que não te digam já está escrito você é jovem, aproveitemos esta instância, nos embriaguemos com o vinho, temos saúde para isso, olhe as volúpias de belas mulheres, mil motivos te diriam que a vida é curta, mas será longa se você cai, sai da regra, a lei pune, é severa, você será então martirizado, conspurcado, e todos aqueles que queriam a tua derrocada psicossocial terão certeza do que pensavam a teu respeito: Ele não representava mesmo nenhuma promessa de ideal, vivia para festas, balburdia e falsas alegrias, queria ter todas as mulheres, gostava de aproveitar a vida e em risos de escárnio e zombaria não se compadecerão de você, ninguém terá piedade.Autor Reginaldo Afonso Bobato