sexta-feira, 16 de junho de 2017

Riachos amargos

Riachos amargos

O fundo do rio segurava palafitas
Um jovem mergulhou
Cólera pegou
Bagres doentes roíam as estacas
Minhocas no anzol
Frutos do rio
Peixes
Um mestre passou
Iemanja homenageou
Atracado
Terno de linho nobre
Um mestre passou
E dizia melodicamente
Filhos das águas
Terra a vista
Chão firme em taboa bruta dizia a carta que fora enviada as costas
Sapos eram os príncipes
O mestre dizia
Não tenho medo das águas de bagres e de sapos
A fome e doença me apavoram
Então a água foi tratada
O jovem curou se
E o mestre pescou
Sereia na rede
Lábios de mel

 Autor Reginaldo Afonso Bobato