segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Limites para sonhar


Limites para sonhar


Mesmo depois que eu morra, não serei um ponto final, e acrescento, a vírgula põe em mim uma infinita vontade de prescrever o que escrever, redigir e bem ler, nada se acaba assim com a literatura, o aconchego de letras é uma infindável vontade de amar sem medida, com sensação que não existe pecado, nem sentença, que todos somos puros, meigos e diferentemente iguais aqueles  que são felizes com pouco capital e não sofrem de angústia e não perderiam o amor de suas vidas por causa de muito dinheiro. Autor Reginaldo Afonso Bobato