segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Dignidade ou aviltamento, segredos mortais em espécie.

Dignidade ou aviltamento, segredos mortais em espécie.


Venho de onde não estava, descobri o que não existia, senti como dor, vibrei pela libertação com o se estivesse num presídio de segurança máxima, vivi como se fosse o último momento, fiquei esperançoso pela vida eterna, mais ainda pela sua justiça, a eu vi então anjos caídos, demônios libertos, seres aglutinados  a razão de existir, somente a esta razão, não importava qual condição, superior ou inferior, e assim vivenciei esta alegria, e mesmo assim sorrir, nem pensar,a e o que perdi, já estava prescrito, um dia ou anos a fio marcados como se fossem sentenças, mas um encontro com a verdade que não condena, ensina, medita, persuade que os caminhos são muitos, os corretos precisam de indicação que ninguém quis me apontar, mas deixe estar, e se a vida é curta assim, me mostrou que valeu a pena os gestos de erudição, e minha erudição propriamente dita, as formas perfeitas de se encontrar a verdade, agora se não todos, a maioria tem, fico feliz que a felicidade, além de ter, é ser, além de ter é de se manter o que tem e até o que se é,e nisso tudo reza o caráter, o brio e a honradez, a soberba era um entre muitos, do que será, é ser e mesmo  assim deu vida ao que será, a boa sorte é maturação para preparação longe de mentes hipócritas cuja sordidez  conspurcaria em segredo para futuramente receber o perdão e perdoarem ao apontarem subitamente o erro que também lhes era pertinente e oculto e  em conluios de sublevação incitarem e instigarem e os risos de escárnio e zombaria, .como se fosse causas, seria comum entre eles e nada mais a temeAutor Reginaldo Afonso Bobato