segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Deus, um estranho

Deus, um estranho


Quem é Deus?
É o Deus que ajude, mas ele quer ajuda, pede socorro, mas so corro, pede clemência, pois há indução como conseqüência, que é tese, que medimos pelo nosso conforto melancólico que nos recolhe para perto do calor, e escolhemos a subserviência, que são brados para continência...
Lindo é o poder pelo poder que nos acomoda, e pelo egoísmo o clamamos, e seu precioso nome é o álibi que nos conforta, gente boa então, merece nossa confiança, me lembrarei como se não fosse um fugitivo, e ele terá piedade da minha boa educação, até com minha gramática discrimino com persuasão, por favor, me dê uns trocos, ele pede a ti seu moço sem vacilar, sinônimo de humildade revela a poucos, bem poucos, sem lástimas, quase ninguém o ouve, louve-o, e será que o admiramos?

Todo poderoso e onipotente resume sua condição, mas ele é um servo que não se dissimula. Autor Reginaldo Afonso Bobato