sábado, 26 de novembro de 2016

Quem põe teu nome no terreiro é macumba, é uma má tumba.

Quem põe teu nome no terreiro é macumba, é uma má tumba.


Você quer dar um de galo, daí eu falo, pense e reflita qual vida leva uma galinha e até onde alguém pode esticar uma linha...
Ela cata de grão em grão o milho que lhe jogam ao chão, humildemente, expõe sua sexualidade ao extremo do ridículo para que qualquer galo assedie, e mesmo que não lhe joguem o milho, ela fica praticamente o dia todo limpando o terreiro, cisca todo teu passado de inverdades, mentiras, traições e de pecados, e a coitada sem ver nem imaginar não se importa que o galo que cruzou com ela cruze com outras galinhas também, é a inversão de valores que ostenta a mediocridade das classes sociais, tido como garanhão por alguns, másculo por outros, viril por muitos, mas a espreita do aviso deve deixar a filosofia, um só olhar lascivo para o corpo de uma donzela você seria taxado de mau caráter, aproveitador e uma série  de predicados que o homem mais vil de todos não gostaria de ser. Autor Reginaldo Afonso Bobato