quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Psicofilosofia, a ciência do futuro! Do futuro?



Psicofilosófia, a ciência do futuro como profilática, do futuro?







O oculto se revela...
Quem foge de seus mais profundos sentimentos, o amor, ódio, medo, angústia, aflição, ansiedade,  a paixão, a inveja, a cobiça e sentimentos vis.
As condições para análise se parecem simples num quadro que se mostra visível, mas é mais profundo  do que se imagina, pois pelo amor, pode se encobrir outros sentimentos,e a pessoa segue avante insistindo no erro e no dolo, muitas vezes sem  notá-lo em si mesmo, pois pode amar um e odiar outro, ir a busca de balanceamento e continuar insistindo em prejudicar outrem em segredo e em conluios.
Estas averiguações são notadas com rigor numa simples conversação, que foge de controle de quem está a falar ou agir, e pensa e age assim sem refletir e acaba mentindo para si mesmo, e ao espectro do analista vem a verdade e  os sentimentos profundos e verdadeiros são revelados, não propriamente para constranger o analisado e investigado, mas para lhe proferir a verdade contextual para impedir e diminuir a afetação psicopatológica  que ninguém enxerga, a não ser um aguçado terapeuta.
É importante frisar  que qualquer assunto pode ser proposto numa discussão psicoterápica, desde a ciência social propriamente dita a assuntos restritos de família,e assuntos de família sempre vão em evidência, desde uma conversão que pareça salutar a febris traições, intrigas e aversões, induções e instigações ao erro, induções ao coito, taxações medíocres, o íntimo em questão e o que você está deixando de fazer ou fazendo para ocorrer insultos, agressões verbais.
O objeto de tratamento é complexo, a pessoa pode dizer uma verdade e proferir cem mentiras, e estes episódios exigem minúcias, e é sabido o que é o erro e o dolo que se parece com a retidão, o que buscamos de fato que não magoe a quem nos ama e nos quer bem, quais as inseguranças para se ter tanto ciúmes, qual é a razão, o que você vê que não põe votos de confiança em quem você ama, quais teus erros do passado que te levam a agir desta forma, tua conduta hoje, qual reflexão, até que ponto o passado está agindo em você sem controle, e deve surtir como efeito as dissertação do psicoterapeuta para mostrar e apresentar a você as verdades e as mentiras para que você possa transformar o meio que você vive com mais sanidade e dedicação, zelo e determinação, sem indolência, ociosidade psíquica e física, sem ostracismo, egoísmo, indelicadeza, hipocrisia, falta de afeto, de carinho, de valorização, falta de meiguice, excesso de soberba, de vaidade e o que mais existe no fundo da alma que você esconde até de si mesmo. Autor Reginaldo Afonso Bobato