domingo, 27 de setembro de 2015

Construção entre lágrimas



Construção entre lágrimas


Mais do que nunca, poder pensar, te fazer pensar, refletir, um no outro, um sendo o outro, sem vencer o outro, simplesmente ser o outro, sentir um pouco de suas dores, e enxergar um aprendizado adjacente, só um suspiro é vida que não se apaga, que sente, consente o tempo que nos precipita para viver até o medo de ser forte, de ser fraco por ser forte, tudo ao nosso redor ainda não está escrito, é estranho e curiosamente indescritível, quantos lastimas nos fazem ternos, quanta concentração, imponha o medo, terás medo, até medo de não ter medo, olhamos e não notamos, a direção deveria ser o acalento dos poetas construtores, dignos olhares sobre seus calos, sua linguística está em seus olhares tristes e distantes, a labuta compre o desígnio de pressupostas averiguações, quantas virtudes simplificam suas ações, dia após dia, resistência, ardor, chama a vida que não é notada, ela é compartilhada, exigida, decidida e dedicada. autor Reginaldo Afonso bobato